Je t’aime … moi non plus: uma canção de amor que escandalizou o mundo

Em uma noite de 1967, Brigitte Bardot pediu ao seu amante, o músico, ator e cineasta, Serge Gainsbourg que compusesse uma música de amor. Nesta noite escreveu “Je t’aime … moi non plus” e “Bonnie e Clyde”.
A história do casal de criminosos seria gravada entre Gainsbourg com Bardot em 1968, “Bonnie e Clyde” com a realização de um clipe sobre a música, e a gravação em dois discos.

Mas “Je t’aime … moi non plus”, chegaria a ser gravada, mas não foi liberada. Pois o conteúdo explosivo da música foi alvo de assédio da imprensa e do marido de Bardot, o empresário Gunter Sachs.
Serge Gainsbourg e Brigitte Bardot – “Je t’aime … moi non plus”
Brigitte pediu a Gainsbourg que não divulgasse a gravação. Gainsbourg fez uma declaração publicada no livro “Os olhos têm”, de Sylvie Simmons: “A música é muito pura. Pela primeira vez na minha vida, eu escrevo uma canção de amor e ele é levado mal”. Acabou que Bardot tempos depois pediu que fosse liberada a música original, fato que Gainsbourg concordou em 1986.
Gravado em estúdio e sem caricias, segundo o engenheiro de som. A música parece ser cantada durante uma relação sexual. Dando um ar de erotismo e amor verdadeiros, a canção e os gemidos.
A composição é realizada no formato de um dialogo entre dois amantes, onde um declara o amor e o outro corta. Como no inicio das estrofes: “-Eu te amo, eu te amo. Oh sim eu te amo / – Eu não”.
O titulo, “Eu Te Amo… Eu não” foi inspirado em uma frase de Salvador Dali, “Picasso é espanhol, eu também Picasso é um gênio, eu também Picasso é comunista, nem eu”. A frase é essa idéia de amor, que não se conclui.
 Serge Gainsbourg e Brigitte Bardot – “Je t’aime … moi non plus”
Em 1969, Serge conhece atriz inglesa, Jane Birkin, e a convida para gravar a música que se torna sucesso imediato em toda Europa.
A recepção do disco foi criticado por setores conservadores, a considerando pornografia. Na capa do disco, havia a inscrição “proibido para menores de 21 anos”. A transmissão em rádio em vários países só era permitida às 23 horas e o Vaticano a excomungou no território italiano.
Em 1976, a música inspirou o filme que foi dirigido por Serge Gainsbourg e teve a atuação de Jane Birkin.
Saiba mais sobre o filme.
E mais:
A cantora Marisa Monte na abertura de seu show “Memórias, Crônicas e Declarações de Amor” homenageia a música, colocando no inicio do espataculo, antecendendo amor “I Love You”.
A Orquestra Imperial homenageou no ano de 2009, o compositor Serge  Gainsbourg por sua obra.
Conheça a letra da música:
Je t’aime … moi non plus (Eu Te Amo… Eu não)
Serge Gainsbourg
– Eu te amo, eu te amo
Oh sim, eu te amo
– Eu não.
– Oh, meu amor
– Como a onda irresoluta
Eu vou, eu vou e eu venho
Entre teus quadris
Eu vou, eu venho
Entre teus quadris
E eu me detenho
– Eu te amo, eu te amo
Oh sim eu te amo
– Eu não
– Oh, meu amor….
Tu és a onda, eu a ilha nua
Você vai, você vai e você veio
Entre meus quadris
Você vai e você veio
Entre meus quadris
E eu junto a você!
-Eu te amo, eu te amo
Oh sim eu te amo
– Eu não
Oh, meu amor
O amor físico não é tudo
Eu vou, eu vou e eu venho
Entre teus quadris
Eu vou e eu venho
E eu me detenho!
Não! Agora não! Vem!
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s